FOTO CAPA

VAGA GARANTIDA NA LIBERTADORES EM 2018

Publicado às 23h44 deste domingo, 26 de novembro de 2017.
O Santos venceu o Flamengo, por 2 a 1, na Ilha do Urubu, na noite deste domingo (26) e com o resultado, que nos últimos 14 anos aconteceu apenas duas vezes (o rubro-negro perder para o Peixe,no Rio de Janeiro. A última foi em 2014, no Maracanã - 1 a 0, gol de Robinho) e reassumiu a terceira colocação do campeonato (mesmo numero do Grêmio-RS, vice-líder) e com isso, garantiu matematicamente a classificação da fase de grupos da maior competição do continente, pelo segundo ano seguido - A Copa Libertadores da América. Os gols do alvinegro foram de Bruno Henrique e Arthur. 

Além da classificação a Libertadores, o Peixe ainda tem condições de abocanhar os 11,3 milhões de segundo lugar do Brasileiro, caso vença o Avaí na última rodada, na Vila Belmiro e o tricolor gaúcho não vença o Atlético-MG.

A noite parecia que não seria das melhores ao time da Baixada. O Santos tinha até então quatro vitórias apenas como visitante e levou o gol logo cedo, aos 7 minutos. Entretanto, três minutos depois, o goleiro Muralha que vive uma fase tenebrosa, entregou a "paçoca" ao tentar driblar Ricardo Oliveira e perder a bola. O camisa 9 do Peixe rolou para Bruno Henrique que empatou o jogo.

Mesmo com o Flamengo com mais de 25 finalizações e em uma delas, Vanderlei operou um verdadeiro milagre contra apenas três do alvinegro, o que vale é bola na rede. Arthur que entrou na segundo tempo, chutou, Muralha falhou novamente e o Glorioso praiano virou o placar para 2 a 1.

Daí em diante, virou ataque contra defesa. Até pensei que o técnico Elano colocaria Rodrygo na vaga de Bruno Henrique lesionado, para explorar o contra-golpe, entretanto, preferiu Matheus Jesus para garantir o resultado.

Não, o Santos não fez uma apresentação sensacional, digna do DNA ofensivo do clube, mas trouxe o resultado que garantiu a vaga na Libertadores do ano que vem e deu um novo clima, após três derrotas seguidas interrompidas semana passada, diante do Grêmio. 

Para o último jogo da temporada, diante do Avaí, o valente e eficiente Alison, recebeu o terceiro amarelo e não joga contra os catarinenses. Em compensação, o defensor Lucas Veríssimo retorna de suspensão.

Em quatro jogos que Santos e Flamengo se enfrentaram em 2017, o Peixe venceu três, dois pelo Brasileiro.

FICHA TÉCNICA:
FLAMENGO 1 X 2 SANTOS
Ilha do Urubu, Rio de Janeiro (RJ)
​Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Cartões amarelos: Ricardo Oliveira, Matheus Oliveira, Jean Mota, Alison (SFC); Diego, Vizeu, Réver (FLA)
Público e renda: 13.798 pagantes / 15.456 presentes / R$ 288.073,00
Gols: Marcos Paquetá, 6'/1°T (1-0), Bruno Henrique, 10'/1°T (1-1); Arthur Gomes, 28'/2°T (1-2)
FLAMENGO: Muralha, Rodinei, Réver, Vaz e Renê; Cuéllar, Arão (Vinicius Júnior, 29'/2°T) e Diego (Geuvânio, 39'/2°T); Everton Ribeiro, Paquetá e Vizeu (Lincoln, 34'/2°T). Técnico: Reinaldo Rueda.

SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, Luis Felipe, Noguera e Jean Mota; Alison, Renato e Vecchio (Kayke, 41'/2°T); Bruno Henrique (Matheus Jesus, 34'/2°T), Copete (Arthur Gomes, 22'/2°T) e Ricardo Oliveira. Técnico: Elano.

Noguera substituiu Lucas Veríssimo, suspenso.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

Vanderlei: O melhor jogador do Brasileiro em 2017, na minha opinião, que tinha caído de rendimento nas últimas partidas, voltou a ser protagonista. Fez uma defesa no segundo tempo, digna de Rodolfo Rodriguez. - 7,0
Victor Ferraz: No gol flamenguista, não conseguiu tirar a bola da área com força no cabeceio. Ainda assim, dos últimos jogos, foi o que ele atuou melhor. - 5,5
Luis Felipe: Aos poucos volta a ser o defensor que terminou 2016, como o melhor do país. Poucas faltas, muito técnica na saída de bola e desarmes fundamentais. - 7,0
Noguera: Não começou bem, mas ganhou confiança ao longo da partida. Bem no jogo aéreo, sua melhor qualidade. - 6,0
Jean Mota: Se preocupou mais em marcar. Pouco apareceu a frente. - 5,5
Alison: Que temporada desse rapaz. Não tem a mesma qualidade de Clodoaldo, Dema ou César Sampaio, mas mostrou-se eficiente. Um dos mais regulares na temporada. - 6,5
Renato: Não roubou bolas e não apareceu tanto com qualidade no passe, como de costume. - 5,5
Vecchio: Como disse e queimei a língua na semana passada, pois o passe do gol de Copete foi dele, não é armador, coordenador de jogadas. Deu mais passes laterais e curtos. Ainda assim, voltou algumas vezes e auxiliou na marcação pela direita da defesa. Cansou e foi substituído. - 6,0
(Kayke): Poucos minutos em campo. Não marca um gol desde 5 de julho. - SEM NOTA
Bruno Henrique: Ao lado de Jô, os melhores atacantes do futebol paulista da atualidade marcou gol, agrediu com velocidade e dribles curtos e deu trabalho a retaguarda rubro-negra. - 7,5
(Matheus Jesus): Preencheu os espaços e reforçou a marcação quando o Peixe virou o placar. - 6,0
Copete: Dos últimos jogos, na parte técnica, foi o que esteve melhor. Aos poucos recupera o seu futebol que se não é maravilhoso é eficiente e competitivo. - 6,5
(Arthur Gomes): Entrou pela esquerda do ataque e arriscou o chute que proporcionou o gol da vitória. O goleiro Muralha colaborou. - 7,0
Ricardo Oliveira: Teve raça e categoria para roubar a bola no gol de Bruno Henrique, na bisonha falha de Muralha. Correu incansavelmente. Melhorou muito nos últimos jogos em relação ao primeiro semestre. - 7,0
Técnico: Elano: Armou o time para contra-atacar. Eu, porém não sou treinador, colocaria o menino Rodrygo e seu talento como atacante rápido e de qualidade pelo lado para explorar os contra-golpes. O Flamengo colocou os seus jovens Vinicius Junior e Lincoln (que atuou com Yuri Alberto no Mundial da Índia). Podia ser feito o mesmo pelo Peixe. Preferiu segurar o resultado com o volante Matheus Jesus. - 6,5

strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by