FOTO CAPA

AMARGA ROTINA

Publicado às 15h50 deste domingo, 14 de Maio de 2017.
O Santos não fez uma má apresentação, porém, os erros defensivos e um pênalti mal assinalado, foram fundamentais para que o time pelo 12o. ano consecutivo, não vença em uma abertura de Campeonato Brasileiro. No fim da manhã deste domingo (14), o alvinegro foi derrotado no Maracanã para o Fluminense, por 3 a 2. Os gols do Peixe foram de Victor Ferraz e Vladimir Hernandez.

Conforme o Blog do ADEMIR QUINTINO "antecipou" no começo da tarde do sábado (13), Yuri foi o escolhido para a vaga de Cléber, poupado para o confronto da Libertadores no meio de semana. O camisa 25, meio-campista de origem, foi o companheiro de Lucas Veríssimo na defesa.

Os santistas não suportaram 3 minutos de pressão dos donos da casa e já estavam atrás do placar. Victor Ferraz levou um drible da vaca do lateral tricolor que cruzou no primeiro pau, Yuri não conseguiu acompanhar Henrique Dourado que abriu o marcador com direito a "lei do ex-jogador" de fazer gols no Santos. O atacante do Fluminense passou pelo Peixe em 2013, emprestado pelo Mogi-Mirim, quando não marcou um gol sequer com o "manto".

Com o placar adverso, o time de Dorival Junior, enfim, entrou no jogo e começou a trocar a bola. Próximo do fim do primeiro tempo, chegou a igualdade após a assistência de Bruno Henrique e Victor Ferraz empatar de cabeça. Tudo levava a crer que o 1 a 1 seria o placar do primeiro tempo. Entretanto, já nos acréscimos, Jean Mota toca em Henrique Dourado que dobra o joelho e desaba dentro da área. Nem o árbitro, nem o assistente perceberam que o atacante carioca simulou o pênalti que foi marcado e convertido pelo autor do primeiro gol do duelo. 

Veio a etapa complementar. E o alvinegro pagou novamente pela falta de uma marcação mais firme a frente da área. Bruno Henrique perdeu a bola e os volantes do time da Vila não bloquearam o ótimo Wendell, que rolou para Sornoza ampliar - 3 a 1. 

Somente após o terceiro gol do Fluminense, Dorival Junior resolveu alterar. Vitor Bueno deu vaga a Hernandez e Oliveira a Kaike. Um pouco antes, Oliveira e Bruno Henrique, cada um, colocaram uma bola no travessão no mesmo lance. 

Com a entrada do colombiano, Lucas Lima e o "pequeno gigante" começaram a rodar a bola e dominaram juntos o meio-campo a ponto de o treinador do Flu, Abelão, ter colocado outro volante - Pierre, para acabar com a supremacia dos meio-campistas santistas.

Já que as substituições deram uma evolução ao time de azul (o Santos jogou com o terceiro uniforme), faltava agredir a meta de Diego Cavalieri, mas ela aconteceu apenas uma vez. Lucas Lima achou Bruno Henrique dentro da área e o atacante finalizou. No rebote, o colombiano Hernandez diminuiu - 3 a 2. 

Restavam dois minutos para o fim da partida, além dos acréscimos, mas o Santos não teve capacidade de pressionar o adversário e mesmo com 10 finalizações a mais que o time das Laranjeiras, perdeu o jogo.

A delegação alvinegra volta para a baixada santista ainda neste domingo e na segunda-feira (15) pela manhã, já embarca para La Paz, na Bolívia, onde na quarta-feira (17), enfrenta a altitude de 3,6 mil metros acima do nível do mar e o The Srongest, pela penúltima rodada da fase de classificação da Libertadores da América. Pelo Brasileiro, no próximo sábado (20), a equipe joga na Vila, diante do Coritiba.

Sem querer ser pitonisa, não vejo o Fluminense como time que brigará pelo título. O Santos tinha plenas condições de voltar com pelo menos um ponto da cidade maravilhosa. Larga mais um Brasileirão sem pontos na rodada inaugural da competição.

FICHA TÉCNICA:
FLUMINENSE 3 X 2 SANTOS
Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Público e Renda: 9.880 pagantes/ R$ 305.610,00
Cartões amarelos: Léo (Fluminense); Victor Ferraz, Bruno Henrique, Lucas Veríssimo, Lucas Lima e Ricardo Oliveira (Santos)
GOLS:FLUMINENSE: Henrique Dourado, aos 3 e 47min do primeiro tempo; Sornoza, aos 12min do segundo tempo
SANTOS: Victor Ferraz, aos 38min do primeiro tempo; Hernandez, aos 42min do segundo tempo
FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Lucas, Renato Chaves, Henrique e Léo; Orejuela, Wendel e Sornoza (Gustavo Scarpa); Wellington Silva (Marcos Júnior), Richarlison (Pierre) e Henrique Dourado.Técnico: Abel Braga
SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Yuri e Jean Mota (Léo Cittadini); Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Vitor Bueno (Hernández), Ricardo Oliveira (Kayke) e Bruno Henrique. Técnico: Dorival Júnior


Renato com Scarpa. O meio-campo tricolor passou pelas categorias de base do Santos.
NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: O ótimo goleiro santista, não teve culpa nos gols. Porém, ao contrário do último jogo, não fez nenhuma grande defesa. - 5,0
Victor Ferraz: O lateral santista não pode levar um drible como levou no primeiro gol do jogo. Se redimiu ao aparecer como elemento surpresa no meio da defesa e empatou o jogo no primeiro tempo. Importante na construção das jogadas do meio e ataque. Torcida pega no seu pé, mas é bom jogador. Precisa melhorar a capacidade de marcação. - 6,0
Lucas Veríssimo: O único defensor de ofício. Sem culpa nos dois primeiros gols e no terceiro tentou bloquear Sornoza, mas não chegou a tempo. Verdade que nesse lance, quem tinha de bloquear eram os volantes. - 5,0
Yuri: É bom volante com ótimo passe, mas não tem pegada de zagueiro e tampouco o jogo aéreo é o seu forte. Não conseguiu evitar o primeiro gol de Henrique Dourado. - 4,5
Jean Mota: Apesar de ter a convicção de que o ala improvisado não cometeu o pênalti, o camisa 39 não teve cacoete de marcador e foi ingênuo em tocar no corpo de Henrique Dourado. Bem nos cruzamentos no apoio, mal na marcação. - 4,5
(Cittadini): Entrou primeiro como ala e em seguida trocou com Thiago Maia e foi para o meio. Jogou pouco tempo. - 5,0
Renato: Esse ano joga mais recuado. Limitou-se a saída de bola da defesa. Junto com Maia, não bloquearam o volante Wendell no passe do terceiro gol do Fluminense. O ídolo santista continua com o passe qualificado, a classe de sempre e diferenciada, mas não tem a mesma pegada. - 5,0
Thiago Maia: Sofreu na marcação de Wellington Silva que flutuou nas suas costas. Errou muitos passes. - 5,0
Lucas Lima: Apareceu bem na jogada do segundo gol com um lançamento primoroso. Só apareceu de verdade no jogo quando entrou Vladimir Hernandez. Juntos conseguiram "rodar a bola no meio".  - 6,5
Vitor Bueno: Demonstrou muita vontade, mas o bom futebol do ano passado, que até me deu a impressão que estava recuperando a confiança no meio de semana ao dar duas assistências, não foi visto no Maracanã. É ótimo jogador, mas não vive bom momento. - 4,5 
(Hernández): Entrou bem demais. Além do segundo gol, ao contrário de Bueno que fica espetado pela direita, o pequenino colombiano se movimentou o tempo todo, a ponto de Abelão colocar outro volante para acabar com a supremacia santista naquele instante. - 6,5
Ricardo Oliveira: Poucas finalizações. A mais clara, colocou de cabeça na trave. Sofre por não ter tido pré-temporada, após ter contraído caxumba. Ainda não foi o camisa 9 que aterrorizava as defesas adversárias em 2015 e 2016. - 5,0
(Kayke): Recebeu duas bolas mas não conseguiu levar adiante e finalizar. - 5,0
Bruno Henrique: O atacante mais perigoso do time. Cruzou a bola para o gol de empate de Victor Ferraz, participou da jogada do gol de Hernandez e colocou uma bola no travessão. Perdeu a bola que originou o terceiro gol do Fluminense. - 6,5
Técnico: Dorival Júnior: Tem dificuldades para montar a defesa com as lesões de Cléber, David Braz, Gustavo Henrique e Luiz Felipe, sem contar os alas Zeca e Caju. Não confia no argentino Noguera, a ponto de preferir a improvisação de Yuri no miolo da zaga. Só mexeu no time após levar o terceiro gol. - 5,0  

 

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by