FOTO CAPA

O VISTANTE MAIS INDIGESTO

Publicado às 23h11 deste domingo, 24 de julho de 2016.
O Santos voltou a vencer fora de casa, algo incomum em um passado recente. O time cedeu o empate duas vezes, mas demostrou poder de reação e venceu o Vitória-BA, em Salvador, por 3 a 2 e se aproxima dos líderes do Campeonato. O alvinegro está um ponto atrás dos vice-líderes SCCP e Grêmio e três do primeiro lugar, o Palmeiras. Por ironia do destino, o Glorioso da Baixada é o time que mais pontos conquistou como visitante, até o momento. São 11 no total, frutos de três vitórias e dois empates. Os gols do Peixe na capital soteropolitana foram de Vitor Bueno, Copete e Jean Mota.

O técnico Dorival Junior além de promover os retornos de Ricardo Oliveira e Renato, ausentes no empate em Brasília, diante do Gama, manteve Léo Cittadini no meio de campo e Yuri ficou entre os reservas. Com a modificação, Renato teve mais trabalho para proteger a defesa, já que Cittadini apesar de também marcar, sai mais para o jogo do que o jovem revelado no Osasco.

Ao contrário do jogo no Distrito Federal, Copete e Vitor Bueno se alternavam pelas beiradas do campo e confundiam a marcação do rubro-negro da boa terra. No primeiro tempo, as defesas de ambas as equipes estavam bastante expostas, com pouca proteção e o alvinegro se aproveitou primeiro disso com Vitor Bueno abrindo o placar, após boa jogada de Copete, o melhor do jogo.

Alguns minutos após e depois de Ricardo Oliveira desperdiçar oportunidades que raramente deixa de concluir com precisão, os donos da casa empataram da forma que mais tem tirado o sono da comissão técnica - A bola aérea. Cruzamento da esquerda e Kanu empatou a partida. Um minuto depois, Lucas Lima bateu rápido a falta e Caju achou Copete que desempatou a partida novamente - 2 a 1. Os jogadores do Vitória reclamaram bastante com a arbitragem. E assim os times foram para o intervalo.

No segundo tempo, o Vitória adiantou as suas linhas e o Peixe buscava um contra-ataque que não aconteceu durante 2/3 dos 45 minutos finais. O time de Salvador alugou o meio de campo. O empate era questão de tempo e efetivamente aconteceu. De que forma? Bola aérea novamente na retaguarda santista e Vander empurrou pro fundo da rede de Vanderlei. Ainda faltavam 26 minutos para o término da partida, mas o time de Dorival não conseguia contra-atacar. Para piorar, Lucas Lima pediu para ser substituído com dores musculares na coxa direita e deu vaga a Fernando Medeiros.

Porém Copete, o colombiano que não é craque, mas extremamente rápido e raçudo, disparou pela esquerda e cruzou para Vitor Bueno que se esforçou e conseguiu colocar a bola para dentro da área. Jean Mota que acabara de entrar fez o gol da vitória santista - 3 a 2. 

Se o time santista não teve uma atuação esplendorosa no quesito espetáculo, conseguiu seu objetivo - os três pontos. O alvinegro ainda tem três partidas para completar o turno (Cruzeiro na Vila, Flamengo que deve ser confirmado para Cuiabá e América em Minas Gerais) e tem chances reais de conseguir o título simbólico da primeira metade do Campeonato.

Ainda sobre o confronto diante dos cariocas, a diretoria santista vendeu três mandos de jogos a um grupo de empresários, o ano passado, para saldar as dívidas e até este instante, ainda deve dois jogos aos mesmos. O clube tentou trazer a partida diante do rubro-negro para o próprio da municipalidade paulistana, o Pacaembu, entretanto, o mesmo será utilizado pelo SCCP, que teve que ceder a Arena de Itaquera para a disputa dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Com isso, a partida diante do time Gávea, dia 3 de agosto, deve mesmo ser confirmado nesta segunda-feira (25), para a capital mato-grossense. 

O Blog do ADEMIR QUINTINO apurou que o elenco santista prefere que a direção "pague" este segundo mando ainda no primeiro turno, para não acontecer o que ocorreu no fim do ano passado, quando o campeonato afunilou e o duelo contra o mesmo adversário foi confirmado para o estádio da Vila Belmiro. Houve empate em 0 a 0.

Antes de voltar a pensar no Campeonato Brasileiro, quando enfrenta o Cruzeiro, domingo (30), na Vila Belmiro, o Peixe retorna a campo, diante do Gama-DF, em partida de volta da terceira fase da Copa do Brasil, nesta quarta-feira (27), às 21h45 também em Urbano Caldeira. Se a igualdade em 0 a 0, mesmo resultado do jogo de ida, acontecer, o classificado será conhecido através das penalidades máximas. Empate com gols, classifica o time de Brasília. Uma vitória simples dá a classificação ao Santos. Se for eliminado, o time das praias vai disputar a Copa Sul-Americana.

Após a rodada quase perfeita deste fim de semana (só faltou o Grêmio perder pontos, já que o líder Palmeiras e o vice-líder SCCP, não venceram), pensar em título já não é tão surreal, porém, algumas correções, principalmente na proteção a defesa (não são apenas os defensores que às vezes não se posicionam de maneira correta) são necessárias em busca da consistência para a conquista do título nacional.

FICHA TÉCNICA
VITÓRIA 2 X 3 SANTOS
Estádio Barradão, em Salvador (BA)
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR-Asp. FIFA)
Cartões amarelos: José Welison, Willian Farias, Dagoberto (VIT), Ricardo Oliveira e Gustavo Henrique (SAN)
Público e renda: 9.244 / R$ 139.965,00
Gols: Vitor Bueno 19' 1ºT (0-1); Kanú 29' 1ºT (1-1); Copete 31' 1ºT (1-2); Vander 25' 2ºT (2-2); Jean Mota 36' 2ºT (2-3) 
VITÓRIA: Caíque; Diego Renan, Victor Ramos, Kanú e Euller; José Welison, Willian Farias (Tiago Real 39' 2ºT) e Serginho (Cárdenas 19' 2ºT); Vander, Dagoberto (Rodrigo Ramallo 19' 2ºT) e Kieza. Técnico: Vagner Mancini
SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Caju; Renato, Léo Cittadini (Jean Mota 35' 2ºT), Lucas Lima (Fernando Medeiros 27' 2ºT) e Vitor Bueno; Copete e Ricardo Oliveira (Rodrigão 23' 2ºT). Técnico: Dorival Júnior

Foi a terceira vitória do Peixe fora de casa neste Brasileiro. O time de Doirval já tinha vencido Santa Cruz e Fluminense.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS: 
Vanderlei: No primeiro gol sofrido poderia ter saído para abafar o adversário. No segundo, nada podia fazer. Fez pelo menos uma defesa importante durante o jogo - 6,0 
Victor Ferraz: Apareceu diversas vezes como meio-campistas. No segundo tempo como tentava apoiar, deixou espaços pela direita. - 5,5
Luiz Felipe: Não conseguiu ganhar de cabeça após o cruzamento do lado esquerdo da defesa no segundo gol do Vitória-BA. Tem mais futebol do que apresentado nesta noite. - 5,0
Gustavo Henrique: Um pouco melhor do que o companheiro, em razão do posicionamento, mas na bola aérea, uma das suas principais qualidades, nesta partida não foi tão bem como normalmente costuma. - 5,5
Caju: Bem no apoio, ainda sofre para marcar com precisão. Bela assistência para Copete em um dos gols. - 6,0
Renato: Sobrecarregado na marcação. Com a opção de Dorival Junior em não escalar Yuri, o veterano ficou limitado a apenas jogar a frente da zaga. - 5,5
Léo Cittadini: Demorou um pouco para entrar na partida. Apesar de não ter aparecido pra torcida, errou poucos passes, mas tem condições de render mais. - 6,0 
(Jean Mota): Pouco jogou, mas teve estrela e estava na hora certa, no lugar certo para marcar o gol da vitória. - 6,5
Lucas Lima: Começou bem com duas assistências desperdiçadas pelos companheiros de ataque. Caiu de produção. Ainda assim, foi inteligente ao cobrar rápido a falta que originou o segundo gol. Pediu para ser substituído. - 6,0
(Fernando Medeiros): Jogou um pouco mais a frente do que normalmente atua. No time campeão da Copa São Paulo em 2014, ficava mais a frente da zaga. Apareceu algumas vezes a frente mas não foi feliz nas tentativas. - 5,5
Vitor Bueno: Um gol e uma assistência. Deixou a defesa maluca com as constantes trocas com Copete pelos lados do campo. - 7,5
Copete: Jogador voluntarioso, dono de um arranque e de uma velocidade invejável. Demonstrou raça de argentino e garra uruguaia, apesar de colombiano. Disparado o melhor da partida. Na Bahia foi o terror do Vitória. Marcou um gol e participou dos outros dois. - 8,5
Ricardo Oliveira: Brigou, se colocou bem, mas ainda sem ritmo, perdeu duas oportunidades que em condições normais não desperdiçaria. - 5,0
(Rodrigão): Também desperdiçou uma chance. Substituiu Oliveira, mas não conseguiu ser a referência para realizar tabelas ou concluir em gol. - 5,0
Técnico: Dorival Júnior: Pode até ter demorado, mas acertou ao colocar Jean Mota e o mesmo fazer o gol que deu os três pontos. Ao escalar apenas Renato e deixar Yuri no banco deixou a defesa mais exposta. Entretanto, não pode ser criticado por não ousar. Para não dizer que não falei das flores novamente, precisa corrigir a proteção a defesa. A bola área ainda tira o sono do treinador e de toda a torcida santista. - 6,5



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by