FOTO CAPA

DE VOLTA AO G-4

Publicado às 21h07 deste domingo, 3 de julho de 2016.
Quem vê apenas o placar, pensa que foi um baile santista na tarde deste domingo (3). Porém, foi muito difícil quebrar o "ferrolho" do time de Santa Catarina, mas após um primeiro tempo ruim e uma segunda etapa extremamente objetiva do time de Dorival Junior, o Santos goleou a Chapecoense por 3 a 0 e voltou a zona da Libertadores. Todos os gols do Peixe foram de jogadores contratados para o segundo semestre - Rodrigão, Copete e Yuri.

O primeiro tempo do Santos foi muito abaixo da capacidade que o time pode produzir. Aliás, o time praiano é o único time no Campeonato Brasileiro que joga com os dois laterais (Victor Ferraz e Zeca), por dentro. O que faltava então? Profundidade. 

Ao contrário do ano passado, quando o Peixe tinha um time bom, mas faltava elenco, esse ano, felizmente, o cenário mudou. O colombiano Copete estava no banco. Ele era o jogador que podia levar a bola a linha de fundo e o técnico Dorival Junior colocou-o em campo aos 11 minutos da segunda etapa. O camisa 36 mudou o panorama do jogo.

Na primeira bola que o canhoto levou pela ponta, ele cruzou e Gabriel perdeu a chance. Na segunda, ele deixou Rodrigão pronto para abrir o marcador. E o centroavante colocou a bola dentro do barbante. A porteira foi aberta. 

A Chapecoense marcava muito bem e não dava espaços. Com a derrota parcial, o time de Caio Junior precisava sair para o jogo e fatalmente daria espaços.

Logo em seguida, um repeteco do primeiro gol santista na quarta-feira, diante do Grêmio. Escanteio cobrado no primeiro pau, Gustavo Henrique e Renato vão pra bola. Dessa vez foi o camisa 8 e não o zagueiro quem desvia e Copete marca o seu segundo gol com a camisa do Peixe e o segundo do alvinegro na partida. A vitória estava garantida.

Mas para coroar os mais de 10 mil presentes ao estádio da Vila Belmiro, o jovem Yuri substituiu Renato. E o talentoso e sucessor do camisa 8 acertou um bólide do meia da rua e marcou seu primeiro gol como jogador profissional. No fim da partida, o entrevistei, no vestiário principal do Urbano Caldeira e o jovem emprestado pelo Audax, afirmou que jamais havia marcado um gol pelo time que ainda detém seus direitos econômicos:
"Nunca fui de fazer gols. Não marquei no Osasco. Não tem como esquecer, vai ser um dia, ou melhor, mais um para ficar para sempre na minha memória. Deus tem feito coisas na minha vida que não tem explicação".  disse bastante emocionado o sucessor de Renato, autor do último gol do jogo.
Pode parecer precoce, até ufanista para alguns, mas tenho comigo que mesmo com os três jogadores deixando o Santos para servir a Seleção Brasileira Olímpica, daqui a duas rodadas, creio que se o Peixe conseguir vencer o Palmeiras, no dia 12, na casa do adversário, entra na briga pelo título. 

Para não dizer que não falei das flores, apesar do campeonato ainda não ter finalizado 1/3 das partidas, uma derrota diante do rival, será catastrófica, pois a diferença pode ser de até nove pontos, o que convenhamos, será enorme para alcançar.

Dorival terá tempo para dar os ajustes finais, principalmente nas jogadas ensaiadas e bola parada para o jogo que eu considero um "divisor de águas" para saber qual a pretensão do time na competição. Dia 12, todos os caminhos levam o torcedor alvinegro (mesmo que apenas através de energias positivas) ao Allianz Parque. Vencer o líder deixará toda a coletividade alvinegra esperançosa, pois, agora com elenco (repito o que escrevo há semanas aqui, se não perder jogador na janela) tem tudo para fazer a melhor campanha do clube, nos últimos 10 anos. 

O Peixe soma 22 pontos e está de volta ao G-4. No returno, enfrenta os três atuais primeiros colocados (Palmeiras, Grêmio e SCCP), em casa. Uma vitória na próxima rodada, já dá para sonhar com título, sim. Se perder, mesmo com 2/3 de campeonato pela frente, ficará muito difícil.

FICHA TÉCNICA 
SANTOS 3 X 0 CHAPECOENSE 
Estádio Vila Belmiro, em Santos (SP) 
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (RJ)
Público/renda: 10.322 pagantes/ R$ 296.600,00
Cartões amarelos: Josimar
Gols: Rodrigão 16'2ºT (1-0), Copete 20'2ºT (2-0) e Yuri 41'2ºT (3-0)
SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato (Yuri 37'2ºT) e Thiago Maia; Vitor Bueno (Copete 11'2ºT) e Lucas Lima; Gabriel (Joel 23'2ºT) e Rodrigão. Técnico: Dorival Júnior
CHAPECOENSE: Marcelo Boeck; Cláudio Winck, Rafael Lima (Demerson 4'2ºT), Thiego e Sérgio Manoel; Josimar (Lucas Gomes 28'2ºT), Gil, Cleber Santana e Ananias; Bruno Rangel e Silvinho (Arthur Maia 17'2ºT). Técnico: Caio Júnior.

O ótimo volante Yuri marcou seu primeiro gol como jogador profissional.
NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

Vanderlei: Como os catarinenses se preocupavam em apenas em se defender, pouco trabalhou. - 6,0
Victor Ferraz: Quando Caio Junior inverteu o ponta Silvinho para cair nas suas costas, teve que guardar a posição e não apareceu tanto na frente. É muito eficiente para fazer tabelas no apoio. - 6,5
Luiz Felipe: Se redimiu da apresentação abaixo da sua média, no Sul do país, no meio de semana. Quase marcou um gol de cabeça.Iniciou a jogada do primeiro gol ao lançar Copete. - 7,0
Gustavo Henrique: Aos poucos vai recuperando o seu melhor futebol. Esteve bem colocado, sua melhor qualidade. - 6,5
Zeca: Um dos poucos, se não o único, que escapou do péssimo primeiro tempo. Era a válvula de escape do time santista. Demorou para os catarinenses encaixarem a marcação no melhor lateral-esquerdo em atividade no país. - 7,0
Renato: Boa proteção a frente dos zagueiros. O homem da saída de bola apareceu um pouco mais a frente nesta partida, principalmente no segundo tempo. Desviou a bola no gol de Copete.- 6,5
(Yuri): Jogou apenas 10 minutos (com os acréscimos). Tempo suficiente para marcar um lindo gol, o mais bonito do jogo. O primeiro como atleta profissional. - 7,5
Thiago Maia: Errou alguns passes no primeiro tempo. Protegeu mais a defesa, algo incomum, já que costuma encostar mais a frente. - 6,0
Vitor Bueno: No primeiro tempo jogou muito de costas e como não tem a velocidade de um atacante, não conseguiu ser alternativa pela esquerda. Melhorou na segunda etapa. - 6,0
(Copete): Entrou para mudar o jogo. O time precisava de profundidade, alguém que fosse a linha de fundo. E o colombiano fez tudo direito e ainda marcou gol. Tudo em pouco mais de 30 minutos. - 8,5
Lucas Lima: Buscou jogo no primeiro tempo, mas não foi objetivo, como costuma ser. Participou da jogada do último gol da partida, quando levou a marcação para Yuri bater para o gol. - 6,5
Gabriel: Vive ótima fase na carreira, mas neste domingo, não teve uma boa jornada. No primeiro tempo, não conseguiu sair da ótima marcação dos catarinenses. Na segunda etapa, desperdiçou uma assistência de Copete, que não costuma perdoar. - 5,0
(Joel): Entrou na vaga de Gabriel e a exemplo de seu antecessor, também não foi bem. Não entrou como referência dessa vez e sim pelo lado. - 5,0
Rodrigão:  Estava sumido na partida. Mas na primeira oportunidade que teve chance de marcar, guardou e abriu o marcador. - 7,0
Técnico: Dorival Júnior: Extremamente feliz nas alterações. Copete mudou o panorama da partida e Yuri selou a goleada. O segundo gol santista, tem o dedo do treinador. Ele costuma fechar os treinos para a imprensa não gravar imagens de jogadas ensaiadas e pela segunda partida seguida dá resultado. - 7,0


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by