FOTO CAPA

PERDEU DOIS PONTOS

Publicado às 10h51 deste domingo, 27 de outubro de 2019.
Nos últimos oito jogos entre 2015 e 2019 que o Santos realizou na Arena, no bairro de Itaquera, zona leste paulistana, período que não vence o rival neste estádio, nunca uma vitória foi tão próxima ao time da Vila, como neste fim de semana. Porém, o Santos desperdiçou este oportunidade na tarde deste sábado (26) e ficou apenas no empate sem gols com o SCCP, na abertura da 28a. rodada do Brasileiro.

O técnico Sampaoli atendeu 'em partes' a opinião pública e escalou o time com dois zagueiros de origem, porém, 'trancou' o lateral Pará como um 'beque' improvisado pelo lado direito e manteve a trinca que o comante técnico gosta de atuar. O camisa 21 só subiu uma vez ao ataque e foi obediente taticamente. 

O comandante técnico argentino escolheu Luís Felipe como o defensor do meio (sobra) e no meio campo recuou Pituca novamente com Jean Mota e Evandro na coordenação e armação de jogadas. Na frente Taílson ganhou a preferência pela extrema direita. Com isso Sánchez, Marinho e Dérlis ficaram no banco de reservas.

Desde o primeiro minuto, os mandantes demonstravam que não iam propor jogo. Vagner Love era um assistente de lateral e fazia a cobertura pelo lado esquerdo do campo. Soteldo errava muitos cruzamentos, até acertar um belo chute no travessão de Cássio. Entretanto, quando substituído no segundo tempo, chutou o banco de reservas em sua saída e jogou um colete no chão, em uma demonstração de irritação, não concordando com a alteração.

Na etapa complementar, a supremacia do melhor futebol santista foi ainda maior. Mas as finalizações eram minímas e o gol da vitória não parecia estar próximo. 

Até entrar, o atacante Marinho. O rei da 'carne seca' entrou com sangue nos olhos e colocou a velocidade e o 'desejo de vitória' em campo. O jogador 'arrastou' duas vezes os marcadores corintianos pelo lado do campo, mas em uma a finalização não aconteceu e na outra, a bola quicou e Felipe Jonatan concluiu por cima da meta de Cássio.

O camisa 11 que defendeu o Grêmio no primeiro semestre e saiu do banco de suplentes, enfiou um 'míssil aleatório' que Cássio fez milagre para defender. 

Os donos da casa (sim, mesmo quando você deve, se comprou parceladamente, a 'casa é sua') tiveram duas chances reais. Uma com Sonorza de falta e outra com Vagner Love, nos acréscimos e em ambas, Everson, goleiro santista foi bem e evitou o que seria ainda pior, uma derrota.

Me estranhou e tenho convicção que a grande maioria dos santistas também, o uruguaio Carlos Sánchez, líder de assistências e artilheiro do time na temporada no banco e o camisa 7 sequer entrou no decorrer da partida. Segundo Sampaoli respondeu a pergunta que fiz diretamente a ele na entrevista coletiva é que o comandante do Peixe desejava ter o controle da bola e muitas vezes, 'Carlos' (Sánchez, Sampaoli chamo o uruguaio pelo primeiro nome), acelera o jogo. Por isso, a opção por Mota e Evandro.
"Fizemos uma grande partida. Tivemos o controle da partida. Quando jogamos de outra forma, com jogadores como Sánchez, às vezes aceleramos muito o jogo. Decidi mudar a característica com Jean Mota e Evandro, para ter o controle do jogo, como dominamos. Sabemos da importância do Carlos (Sánchez), mas valorizei o plano de partida. Como estávamos num 3-5-2 com Evandro e Jean Mota, tínhamos a possibilidade de encontrar o espaço e ter superioridade no ataque. A ideia do jogo era encontrar esses jogadores que têm muito claro um panorama ofensivo, para que achassem Soteldo, Marinho, Sasha, Tailson." argumentou Sampaoli.
Com 10 jogos para realizar até o fim da temporada, o Peixe volta a campo diante do Bahia, quinta-feira (31), na Vila Belmiro. Lucas Veríssimo que cumpriu suspensão, deve ser a novidade. 

Em compensação, Pituca que deixou o gramado lesionado e já realizou um exame de imagem ainda no sábado, após a partida, será desfalques por algumas rodadas. O jogador teve descartado a possibilidade de fratura no tornozelo esquerdo. Porém, houve lesão ligamentar no local e o atleta iniciou neste domingo (27) tratamento, no CT Rei Pelé. O camisa 21 deve desfalcar o time em vários jogos, infelizmente.


FICHA TÉCNICA
SCCP 0 X 0 SANTOS
Arena em Itaquera, Zona Leste de São Paulo.
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (Fifa/SP).
Público/Renda: 32.142 pagantes/R$ 1.518.582,30
Cartão amarelo: Gil, Danilo Avelar e Boselli (COR) e Jobson (SFC)
SCCP: ​Cássio; Michel Macedo, Manoel, Gil e Danilo Avelar; Ralf, Júnior Urso (Sonorza, 26'/2ºT, Pedrinho e Mateus Vital (Janderson, 28'/2ºT) ; Boselli (Gustagol, 36'/2ºT) e Vagner Love. Técnico: Leandro Cuca.
SANTOS: Everson; Pará, Luiz Felipe e Gustavo Henrique; Pituca (Jobson, 10'/2ºT), Jean Mota, Evandro e Jorge; Soteldo (Felipe Jonatan, 34'/2ºT), Sasha e Taílson (Marinho, 12'/2ºT). Técnico: Jorge Sampaoli.

Homenagem ao Rei Pelé - coroa em cima do escudo na camisa 1o que foi do Rei que hj é vestida por Soteldo.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Everson: Duas grandes defesas no fim da partida. - 7,0
Pará: Cumpriu a função tática de ser o zagueiro improvisado pela direita e em uma única vez, fez boas trocas de bola na frente. - 6,0
Luiz Felipe: Jogador que tem muito recurso e uma das melhores saídas de jogo da atualidade, no país. Necessita de ritmo de jogo. Até no jogo aéreo, onde as vezes peca foi bem. Não comprometeu. - 6,5
Gustavo Henrique: Bem posicionado como de costume. Dos zagueiros, foi o que menos trabalhou. - 6,0
Pituca: Desculpe a redundância e a repetição. Prefiro-o mais a frente. Saiu contundido. Deve ficar alguns jogos de fora para tratar do tornozelo. Graças a Deus não houve rompimento. - 6,0
(Jobson): Entrou bem no passe, porém, perdeu duas bolas perigosas. Precisa de uma sequência para ganhar ritmo. - 5,5
Jean Mota: Foi mais segundo volante do que armador. - 6,0
Evandro: Compensa a falta de velocidade na armação com qualidade no passe. Teve mais bons momentos do que outros com pouco aparecimento. Outro jogador que precisa ganhar sequência para poder render melhor. - 6,5
Jorge: Limitou-se a ficar na parte defensiva no primeiro tempo e no segundo tempo sentiu falta de alguém para tabelas do lado esquerdo. - 6,0
Soteldo: Errou quase tudo que tentou, exceto o chute na trave. Mandou mal demais ao deixar o campo e chutar o banco de reservas. Em seguida, jogou o colete no chão. - 5,0
(Felipe Jonatan): Entrou muito bem pelo lado esquerdo do ataque. Deu um drible em dois jogadores de uma só vez e conseguiu uma falta perigosa. Perdeu uma grande oportunidade no final da partida, a bola quicou na hora da finalização que saiu por cima. - 5,5
Sasha: Se deslocou bastante, como sempre faz, para deixar espaços para quem vem de trás, mas não lembro de uma finalização do artilheiro do time no Brasileiro. - 5,0
Taílson: Tem bom drible, mas peca pela falta de velocidade. Futebol europeu exige isso e vai ter de se aperfeiçoar nesse quesito. Foi discreto. - 5,0
(Marinho): Entrou com uma 'estúpida' vontade de vencer. Entrou bem pela direita. Chute venenoso que quase resultou em gol. Duas ótimas assistências não aproveitadas pelos companheiros. - 7,0
Técnico: Jorge Sampaoli: Acertou em colocar dois zagueiros de origem. Não sei se manter Pará como beque improvisado foi a melhor opção, mas teve o controle do jogo. Não me convence a resposta por não ter utilizado Sánchez. Era jogo para o uruguaio. Tudo que o Santos precisava principalmente na segunda etapa era de alguém que acelerasse a partida. Demorou para colocar Marinho. - 5,0

 strutura.com.br

 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by