FOTO CAPA

O FUTEBOL VOLTOU E A ARBITRAGEM CONTRA TAMBÉM

Publicado às 23h20 desta quarta-feira, 15 de agosto de 2018.
O Santos quebrou o jejum de não vencer há 10 jogos. Na noite desta quarta-feira (15), o alvinegro, em pleno Mineirão, virou a partida diante do Cruzeiro por 2 a 1, com gols de Gabriel Barbosa e Bruno Henrique, pela Copa do Brasil e esteve próximo da classificação. Não fosse a arbitragem e a cobrança de pênaltis, o alvinegro seria semifinalista da competição.

Cuca surpreendeu na escalação. Foi para um 4-2-4 com Arthur na vaga de Jean Mota e Rodrygo de armador e Renato no lugar de Alison para melhorar o passe. Cheguei a escrever em uma das minhas redes sociais que era 8 ou 80. Ou ia vencer, como aconteceu ou ia levar um baile. 

O time perdeu Luiz Felipe, com dores na posterior da coxa deixou o gramado com seis minutos de partida. Mas se teve algo que sobrou ao Santos, foi entrega, o time se doou e mesmo com carências em algumas posições, encarou o rival que tinha a vantagem, de igual para igual. Levou um gol cedo, mas se recuperou na partida e empatou com um bonito gol de Gabriel Barbosa.

Na segunda etapa, o jogo permaneceu aberto. O Santos deu espaços, mas também atacava e após assistência do 'rayo' Rodrygo e conclusão de Bruno Henrique virou a partida aos 38 minutos do segundo tempo. Festa alvinegra em Belo Horizonte.

Mas o jogo não tinha encerrado. Aos 49 minutos, após Dodô cometer falta pela esquerda da defesa, o árbitro paranaense - que tem de ir para a geladeira - Rodolpho Tosky Marques, deu mais um minuto de acréscimo. A falta foi cobrada e no rebote, Ferraz lançou Gabriel Barbosa no contra-ataque e ele teria chances reais de marcar o terceiro gol, que daria a (improvável antes de a bola rolar) classificação santista a semifinal da Copa do Brasil. Mas a covardia (quero eu acreditar que tenha sido isso), fez o dono do apito encerrar o jogo, segundos antes do que ele mesmo determinou. 

Como bem disse Cuca, isso destruiu emocionalmente os jogadores do Santos que foram um fiasco na cobrança dos pênaltis e todos desperdiçaram - Bruno Henrique, Rodrygo e Jean Mota e o time das Minas Gerais, seguiu adiante na competição (3 a 0).

Nada adiantará, mas até para ter um pouco, pois hoje não tem nenhuma representatividade na CBF, a direção santista precisa enviar as imagens, provando que o árbitro errou ao não dar continuidade no último lance da partida.

Foi a primeira vitória de Cuca no comando técnico, a primeira vez que o Cruzeiro foi derrotado pelo Peixe na história da Copa do Brasil. Nas outras cinco partidas foram dois empates e três derrotas.

Apesar do revés nas penalidades máximas, o torcedor santista tem de estar confiante. Deu orgulho do time. Agora, nós torcedores temos de fazer nossa parte, à partir de sábado (19) e lotar a Vila em mais uma decisão diante do Sport. O torcedor tem de esquecer os problemas políticos, se jogador A, B ou C não tá bem e empurrar o clube rumo a vitória. Seis pontos diante do rubro-negro do nordeste e Bahia, adversários diretos na luta contra o rebaixamento serão fundamentais para a permanência na série A.

Para o jogo do fim de semana, Luiz Felipe com desconforto na coxa esquerda, dificilmente deve reunir condições de jogo. Ele será reavaliado assim que a delegação chegar na Baixada para saber a gravidade da lesão.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 (3) X (0) 2 SANTOS
Estádio do Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR) 
Público e renda: 43.464 pagantes/R$ 1.432.225,00
Cartões amarelos: Edilson (CRU), Bruno Henrique, Gabriel, Vladimir e Gustavo Henrique (SFC)
Cartões vermelhos: Vladimir (SFC)
GOLS: Thiago Neves (12'/1ºT) (1-0), Gabriel (41'/1ºT) (1-1), Bruno Henrique (38'/2ºT) (1-2)
CRUZEIRO: Fábio; Edilson, Dedé, Léo e Egídio; Henrique e Lucas Silva; Robinho (Rafinha, aos 31'/2ºT), Thiago Neves e Arrascaeta (David, aos 42'/2ºT); Barcos (Raniel, aos 23'/2ºT). Técnico: Mano Menezes.

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Gustavo Henrique, aos 6'/1ºT) e Dodô; Renato (Daniel Guedes, aos 26'/2ºT) e Diego Pituca; Arthur Gomes (Jean Mota, aos 16'/2ºT), Rodrygo e Bruno Henrique; Gabriel. Técnico: Cuca.

NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: Falhou no gol sofrido. Mal colocado. Não conseguiu defender nenhum dos três pênaltis cruzeirenses. - 4,5
Victor Ferraz: Bem na defesa e no meio-campo, quando Daniel Guedes entrou na ala. Faltaram as tabelas com o 'rayo' Rodrygo. - 6,5
Lucas Veríssimo: Um monstro. Bem no mano a mano, nas antecipações e ainda tirou bolas providenciais. - 8,0
Luiz Felipe: Seis minutos apenas e foi substitudo com lesão na coxa. - SEM NOTA
(Gustavo Henrique): Ainda não reencontrou o bom futebol de antes da lesão. Teve muitas dificuldades na marcação no segundo tempo. - 4,5
Dodô: Mal na marcação. Fez sua primeira assistência no ano no primeiro gol do Peixe convertido por Gabriel Barbosa. - 5,5
Renato: Compensou a falta de velocidade com bons passes na saída de bola. Se posicionou a frente dos zagueiros. Foi substituído. - 5,5
(Daniel Guedes): Não conseguiu imprimir a sua destacada velocidade, mas tentou ajudar no apoio. - 5,5
Pituca: Não reeditou as boas atuações de outras partidas. Errou alguns passes, algo não muito comum. - 5,0
Arthur: Se perdeu em alguns momentos no posicionamento. Primeiro jogo com o novo comandante. - Substituído. - 5,0
(Jean Mota): Fechou o setor do meio-campo. Desperdiçou uma das penalidades máximas. - 5,5
Rodrygo: Como meia, apagado. Na ponta direita, deu o cruzamento do gol de Bruno Henrique. - 6,5
Bruno Henrique: Não realizava boa partida. Mas bem colocado, deu linda cabeceada para desempatar a partida. - 6,5
Gabriel Barbosa: Melhor partida na temporada. Deu opções, se deslocou e marcou um belo e difícil gol. O segundo melhor do jogo. - 7,0
Técnico: Cuca: Contagiou o time. Fez com que a equipe carente em algumas posições, marcasse melhor. - 7,0


SEM UM NOVO CAMISA 9

O Peixe chegou a acertar as bases salarias para assinar com Vagner Love. Mas a janela do Brasil fechava às 23h59 e a justificativa foi de que o presidente do clube turco, onde joga o Brasileiro, não foi encontrado para assinar a rescisão do artilheiro do amor com o clube de Istambul.

Pelo que o Blog do ADEMIR QUINTINO apurou o jogador iria receber na Vila aproximadamente R$ 500 mil (300 de salário e R$200 mil de imagem).

No próximo post do Blog nesta quinta-feira, vou informar todos os detalhes do contrato que não foi assinado. O negócio todo ia tomar R$ 23 milhões por dois anos e meio de contrato.
.
strutura.com.br


 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by