FOTO CAPA

COM POUCO FUTEBOL, A INVENCIBILIDADE FOI EMBORA

Publicado às 22h54 deste sábado, 16 de setembro de 2017.
O Santos perdeu uma invencibilidade de 17 partidas na temporada. Na noite deste sábado (16), com um time com 10 reservas, o Peixe foi presa fácil para o Botafogo e foi derrotado por por 2 a 0, no Engenhão (RJ). O time da casa só não fez mais, porque não apertou e novamente Vanderlei, o melhor do país, livrou a cara.


Entretanto, não há muito para escrever sobre a performance do Santos, no estádio do Engenhão. Além do desentrosamento, a apresentação foi bem sofrível, com raras exceções.

O Botafogo "amassou" o Santos desde os primeiros minutos. Vanderlei fez algumas defesas, mas no fim do primeiro tempo, os dois gols do time carioca aconteceram.

No segundo tempo, o alvinegro da estrela solitária já não tinha "tanta fome" para aumentar o placar e o Santos com deficiências técnicas e apesar de não ser o momento adequado, às vésperas da "batalha" mais importante do ano na Libertadores da América, na próxima quarta-feira (20) e com desfalques importantes - Renato e Lucas Lima, a partida desta sábado, deu mostras que alguns jogadores precisam se doar muito mais e melhorar para continuarem vestindo a camisa do Santos na próxima temporada.

Pela Libertadores, o alvinegro vai a campo na quarta-feira e pelo Brasileiro, somente no próximo sábado (23) às 21h, contra o Atlético Paranaense.

Jean Mota é o favorito para herdar a vaga de Lucas Lima, lesionado para quarta-feira (20)
FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO-RJ 2 X 0 SANTOS
Estádio Nilton Santos, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (MG)
Público/renda: 4.669 pagantes/R$ 159.910,00
Cartões amarelos: Victor Luis e Guilherme (BOT), Luiz Felipe e Leandro Donizete (SFC)
Gols: Rodrigo Lindoso (41'/1ºT) (1-0), Guilherme (44'/1ºT) (2-0)
BOTAFOGO-RJ: Gatito Fernández; Luis Ricardo, Marcelo, Emerson Silva e Victor Luis ; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva (Marcos Vinícius, aos 23'/2ºT), João Paulo e Leo Valencia; Guilherme (Gilson, aos 31'/2ºT) e Roger (Brenner, aos 19'/2ºT). Técnico: Jair Ventura.
SANTOS: Vanderlei; Daniel Guedes, Luiz Felipe, Fabián Noguera e Orinho; Leandro Donizete, Jean Mota (Vecchio, aos 13'/2ºT) e Léo Cittadini (Matheus Oliveira, aos 30'/2ºT); Thiago Ribeiro (Serginho, aos 13'/2ºT), Vladimir Hernández e Kayke. Técnico: Levir Culpi.


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: O melhor goleiro das Américas fez mais uma grande partida. Se não fosse o camisa 1 que é unanimidade no país, o Peixe ia para o intervalo goleado. - 7,0
Daniel Guedes: Iniciou apoiando, sua característica principal. Bom jogador, tem potencial, mas o seu rendimento caiu na segunda etapa. - 5,0
Luiz Felipe: Com exceção a um lance no segundo tempo, um dos poucos que escaparam. Tem tudo para voltar em alto rendimento. - 6,0
Fabián Noguera: O lado esquerdo da defesa do Santos foi o mais agredido pelo Botafogo. O argentino tinha de fazer a cobertura do estreante Orinho a todo momento e ele joga melhor na sobra e pelo alto. - 5,0 
Orinho: Foi a sua estréia e não foi bem. Devia ter se preocupado em fazer o simples. Arriscou dribles e perdeu bola, chutou de longa distância quando não dava e proporcionou contra-ataques. - 3,5
Leandro Donizete: Sem ritmo. Precisava de uma sequência. Perdeu uma ótima oportunidade de colocar um trevo na cabeça do técnico Levir e ser um dos escolhidos para a quarta-feira. - 4,5
Jean Mota: Favorito para herdar a vaga de Lucas Lima no meio de semana, não conseguiu ser o coordenador de jogadas e alimentar o ataque. - 5,0
(Vecchio): Depois de mais de 50 dias fora, retornou e deu mais qualidade no passe ao meio-campo. Mas quando entrou no gramado, o resultado já tava construído e a "vaca já tinha deitado" - 6,0
Cittadini: Fez boas coberturas, mas não conseguiu auxiliar Jean Mota na construção de jogadas. - 5,0
(Matheus Oliveira): Partiu para a individualidade algumas vezes e não foi feliz em todas. - 5,0
Thiago Ribeiro: O ataque do Santos foi o pior setor do time nesta noite. Thiago errou as conclusões a gol e não conseguiu realizar o quarto homem no auxílio da cobertura a ala, sua maior qualidade. - 4,0
(Serginho): Entrou com vontade e teve alguns bons momentos ao lado de Vecchio. - 6,0
Vladimir Hernández: Discreto. Ainda não justificou a contratação. - 4,0
Kayke: Sumido na partida. Até domínio de bola, o básico, errou. - 3,5
Técnico: Levir Culpi: Assumiu a responsabilidade da derrotaPodia (deveria) ter poupado alguns jogadores, mas 10 foi exagerado. O Santos tem um bom time, mas tem carências em algumas posições no elenco. - 4,5



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by