FOTO CAPA

QUE DIFICULDADE

Publicado Às 21h10 deste sábado, 30 de janeiro de 2016.
O Santos foi a campo de roupa nova, entretanto, o futebol foi bem abaixo do que essa equipe já demostrou que pode produzir. Sem toques rápidos, disperso e principalmente e irritantemente insistindo na bola longa, o alvinegro apenas empatou na estreia do estadual em 1 a 1, diante do São Bernardo, no estádio da Vila Belmiro. O gol alvinegro foi marcado por Gabriel.

Com poucas caras novas em relação a 2015, Paulinho herdou a vaga de Geuvânio e Marquinhos Gabriel que deixaram o clube, mas ainda não convenceu o torcedor alvinegro. Mas culpar única e exclusivamente o camisa 26, seria muita injustiça da minha parte. O time todo terminou os 90 minutos devendo.

A saída de jogo do Peixe era lenta e tanto Renato e Thiago Maia, jogadores que se destacaram na temporada passada por dar qualidade no primeiro passe, erravam muitos passes.

E para não perder a prática, a equipe santista levou mais um gol de um ex-jogador. O zagueiro Luciano Castan, irmão de Leandro Castan, passou pela Vila em 2010 e era reserva do defensor Edu Dracena. Ele abriu o marcador no primeiro tempo para o time do ABC paulista.

Na segunda etapa, o Santos não foi tão inerte, mas ainda assim, longe do que a equipe desenvolveu no segundo semestre do ano passado.

Como o futebol não tolera desaforo, depois do time do ABC desperdiçar no mínimo, três chances reais de ampliar a partida, há menos de 10 minutos para o fim, Lucas Lima achou Gabriel na grande área e igualou o placar.  Pelo que o Santos não produziu, ficou de bom tamanho.

Na próxima quarta-feira (3), o Glorioso volta a jogar pelo Paulista, desta vez em Campinas, às 21h45, com transmissão da Rádio Capital - 1.040 AM. O zagueiro David Braz que se recupera de contusão, é desfalque uma vez mais.

O Peixe apenas empatou na estreia.
FICHA TÉCNICA 
SANTOS 1 x 1 SÃO BERNARDO 
Vila Belmiro 
Árbitro: José Cláudio Rocha Filho (SP) 
Cartões amarelos: Gabigol (SAN); Léo Veloso e Paulo Marcelo (SBO)
Gols: Leandro Castán - 10'/1ºT (0-1); Gabigol - 36'/2ºT (1-1)
Renda/Público: R$ 389.315,00/9.341 pagantes
SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia (Serginho - intervalo), Renato (Neto Berola 32’/2º T) e Lucas Lima; Gabriel, Ricardo Oliveira e Paulinho (Joel 17'/2º T). Técnico: Dorival Junior
SÃO BERNARDO: Daniel; Eduardo, Diego Ivo, Luciano Castán e Léo Veloso; Daniel Pereira, Daniel Amora, Cañete (Jean Carlos 24'/2º T) e Marino (Lucas Newiton 31'/2º T); Magal e Kanu (Paulo Marcelo 17'/2º T). Técnico: Roberto Fonseca


NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS
Vanderlei: Se não fosse o camisa 1, em pelo menos duas grandes intervenções, o pior teria acontecido. - 6,0
Victor Ferraz: Apoiou pouco e sofreu para conter Magal. - 5,0
Lucas Veríssimo: Vou dar um desconto porque é jovem, primeiro jogo diante do torcedor, mas não reeditou a boa apresentação na Bahia. Furou em um lance, saiu jogando errado algumas vezes e parecia estar nervoso - 5,0
Gustavo Henrique: Na bola parada foi boa arma do Santos , em razão da estatura, porém, no segundo tempo, também saiu jogando errado e tem muito mais futebol. - 5,0
Zeca: A melhor assistência, ainda no primeiro tempo, de perna direita, do lado esquerdo, foi sua. No segundo tempo, não apareceu no jogo - 5,0
Thiago Maia: Outro que errou muitos passes, algo incomum. Bem substituído - 5,0
(Serginho): Deu um pouco mais de qualidade no passe - 5,5
Renato: Não conseguiu dar qualidade no primeiro passe. Desapareceu na segunda etapa, até ser substituído. - 5,0
(Neto Berola): Botou fogo no jogo. Fez aquela "fumaça"- 6,0
Lucas Lima: Apagadinho no primeiro tempo. Bela assistência para o gol de empate no fim da partida.- 6,0
Gabriel: Um primeiro tempo abaixo do seu potencial. No segundo, estava no lugar certo pra empatar o duelo. - 6,0
Ricardo Oliveira: Entrou em impedimento muitas vezes. Quase não finalizou. - 5,0
Paulinho: Demonstrou vontade, o mínimo que se exige de um profissional. Mais uma vez discreto. - 4,5 
(Joel): Um dos poucos que conseguiu abrir espaços na defesa bem armada do time adversário. - 5,5
Técnico: Dorival Junior: Apesar de não ter surtido tanto efeito, fez o que se espera de um treinador de time grande. Lançou o time para frente e com as poucas peças de ataque que tinha no banco, melhorou sensivelmente a equipe na etapa complementar. - 5,5


Bastidores

Um amigo, conselheiro de "primeira viagem" mostra-se surpreso com o sem número de grupos existentes dentro do clube, ainda que, acredita, muitos deles estejam fadados a desaparecer rapidamente. Causa Mortis ? "Infidelidade partidária".

Segundo ele, algumas pessoas participam de várias associações, o que por si só já demonstra  total falta de coerência. A infidelidade partidária fica clara quando mensagens trocadas em determinados grupos, são descaradamente  enviadas para outros. Vai entender!



 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by