FOTO CAPA

FALTOU O MATADOR

`Postado à 01h21 desta sexta-feira, 5 de abril de 2013

Apesar de ter tido 65% da posse de bola, agredir muito o adversário, o Peixe segue invicto há nove partidas, mas completou o quarto jogo sem vencer atuando na capital (empates contra Corinthians, Palmeiras e derrota para o Paulista de Jundiaí) e ficou na igualdade com o São Caetano em 1 a 1, no começo da noite no estádio do Pacaembu. O Peixe saiu atrás do marcador com um gol de Jael. Neymar empatou.

Mesmo com a promoção da troca de um ingresso por duas garrafas pets para quem desejasse assistir a partida do tobogã, o pequeno público de pouco mais de 10 mil pagantes, viu o São Caetano marcar o seu gol logo no início da partida, após cobrança de falta efetuada pelo ex-jogador da Lusa e do Flamengo, Jael.

Após o gol, o time do ABC limitou-se única e exclusivamente a se defender. O cúmulo foi quando o treinador do azulão sacou um meia armador para colocar outro volante. Na teoria, o time do ex-santistas Bruno Aguiar, Eli Sabiá e Fabinho ficou com três volantes e três zagueiros. O que se viu daí por diante foi ataque contra a defesa.

No intervalo, o técnico Muricy Ramalho sacou Giva e colocou André. Principalmente no segundo tempo, o Santos demonstrou algo que não teve nas últimas partidas, volume de jogo. Logo no inicio, Neymar marcou seu oitavo gol no estadual, o quinto de falta na carreira e empatou a partida.

O Peixe ainda teve diversas oportunidades para virar a partida, mas esbarrava ou no goleiro Fábio ou nos próprios erros.
“Se a gente jogasse o dia inteiro, não conseguiria fazer o segundo gol” disse Neymar ao microfone da Super Rádio TUPI/SP – 1150 AM, ao final da partida.

Para o técnico Muricy Ramalho, apesar de perder dois pontos, o Santos foi bem: 
“Em termos de jogar, foi nossa melhor partida. Volume de jogo. E a intensidade. Criamos inúmeras oportunidades. Deixa triste pelo resultado, mas contente pela postura. Não deixamos o adversário jogar e pressionamos até o fim. Fazia tempo que não tinha assim. O passe do meio de campo melhorou demais” afirmou o treinador na entrevista coletiva.

O Santos não foi tão mal como nas rodadas anteriores, mas para quem deseja ser tetra-estadual, ter volume de jogo contra um time fadado ao rebaixamento e ainda não conseguir vencer, não serve de parâmetro. 

O alvinegro praiano volta a campo somente na próxima quarta-feira (10), contra o Flamengo do Piauí, na estreia na Copa do Brasil. O jogo será na capital do estado, Teresina.


Sem mágoas

O zagueiro Bruno Aguiar que foi campeão da Copa do Brasil em 2010, bi-campeão estadual em 2010 e 2011 e campeão da Libertadores em 2011, todos títulos defendendo o Peixe, deu entrevista a Super Rádio TUPI/SP ao final da partida e garantiu que não guarda nenhum sentimento ruim por ter saído do Santos no meio do ano passado. O jogador foi para o Sport/PE e está no São Caetano há poucas semanas:
“Não tem como ter mágoa de um lugar onde fui muito feliz, deixei muitos amigos e quando deixar de jogar, desejo estar próximo, pois virei torcedor” garantiu. 


Muricy 1x0 Quintino

Antes de começar a partida fiz a pergunta ao técnico Muricy Ramalho sobre o que ele esperava da partida, da dificuldade em enfrentar um adversário em desespero na luta pelo rebaixamento. Alguns segundos após a pergunta ter sido feita, começou a execução do hino nacional e o treinador soltou a seguinte perola:

“É sempre difícil jogar contra essas equipes, mas já que você deixou “pingando” é importante ouvir o hino nacional e depois eu repondo o restante da sua pergunta” disparou.

No final do jogo enquanto este repórter conversava com o zagueiro Bruno Aguiar na saída do estádio do Pacaembu, o treinador fez questão de interromper a conversa e soltar:
 “1x0 para mim, tá” 

FICHA TÉCNICA
SANTOS 1 X 1 SÃO CAETANO
Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 4/4/2013 - 19h30
Árbitro: Antônio Rogério Batista do Prado (SP)
Renda/Público: R$ 233.935 / 10.780 pagantes
Cartões Amarelos: Neymar e Durval (SAN); Bruno Aguiar, Pirão, Fábio e Éder (SCA)
GOLS: Jael, aos 6'/1ºT (0-1) e Neymar, aos 7'/2ºT (1-1)
SANTOS: Rafael; Galhardo, Neto, Durval e Léo; Alan Santos, Renê Junior, Cícero (Patito Rodríguez, 35'/2ºT) e Montillo; Giva (André, Intervalo) e Neymar. Técnico: Muricy Ramalho.
SÃO CAETANO: Fábio; Bruno Aguiar, Eli Sabiá e Adriano (Bustamante, 21'/2ºT); Samuel Xavier, Fabinho, Pirão (Rogério, Intervalo), Diego e Éder (Moradei, 35'/1ºT); Jael e Danielzinho. Técnico: Daniel Martine.

Notas dos jogadores do SANTOS

Rafael: Mero expectador da partida. A exceção foi o gol de falta marcado por Jael. A bola foi no seu canto, mas foi como muita força – 5,5
Galhardo: Se aventura mais ao ataque do que seu concorrente de posição Bruno Peres. Sentiu a falta de um meia pelo lado-direito para ser mais explorado – 5,5 
Neto: Outra partida segura do jovem zagueiro. Finalmente, com a suspensão de Durval, poderemos ver o ex-defensor do Guarani contra a União Barbarense na próxima rodada do estadual – 6,5
Durval: Discreto. Levou o terceiro amarelo e desfalca o Peixe contra a Barbarense no dia 13/4 – 5,0 
Léo: No final da partida faltou perna, mas demonstrou a raça de sempre e dessa vez avançou bastante. Um dos melhores do time- 6,5 
Alan Santos: Volante moderno que marca e sabe passar. Está aproveitando as oportunidades como titular – 6,0 
Renê Junior: Marcação eficaz, como sempre - 6,5 
Cícero: Errou poucos passes. Faltou ser o elemento surpresa que demonstrou ter capacidade durante alguns jogos- 6,0 
(Patito Rodríguez): Jogou pouco mais de 10 minutos – sem nota 
Montillo: Ainda não é o Montillo da LaU e do Cruzeiro, mas parece estar se soltando. Bastante participativo – 6,0 
Giva: Perdeu uma chance no fim do primeiro tempo e em seguida, foi substituído – 5,5
(André): Também perdeu uma ótima oportunidade. Precisa render mais – 5,0 
Neymar: Não foi brilhante, mas foi aquele que mais procurou jogo e ofereceu perigo a meta adversário – 6,5.

Técnico: Muricy Ramalho: Senti um Santos com mais paciência nas trocas de bola. Demorou a colocar Patito – 5,0 








 

Copyright © Ademir Quintino All Rights Reserved • Design by